terça-feira, 12 de dezembro de 2017

LIBELO

LIBELO

Mui respeitosamente, eu vos escrevo
No sentido de ouvirdes meu clamor.
Àquele que ora acuso, em desfavor
De mim bem se fez rico e longevo.

Se enumerar seus crimes não me atrevo
É antes por repulsa que pudor.
Tal homem me causara tanto horror
A ponto d'eu pagar o que não devo.

Escrava, não esposa, tenho sido...
Em seus lábios o amor fora a mentira
Com que m'enternecera o tolo ouvido.

Ponde termo à união que ninguém vira
Em justiça acolhendo o meu pedido:
-- "Seja nulo o que em Deus não existira!"

Betim - 12 12 2017

segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

MEIAS-IRMÃS

MEIAS-IRMÃS

Elas eram ainda bem pequenas;
As duas filhas d'uma só mulher.
Uma negra, mais linda que qualquer;
A outra, bela de faces bem morenas.

E embora diferenças assim plenas
Não se afastam nenhuma hora sequer:
Ambas sempre a sorrir, haja o que houver,
De sorte que tranquilas e serenas.

Filhas da Tolerância, têm dois pais:
O Respeito e o Direito. Além do mais,
Ao vê-las toda a gente já se alegra.

Precisas conhecê-las, se te apraz:
Àquela que é morena chamam Paz
Enquanto a Liberdade, sim, é negra.

Betim - 11 12 2017

domingo, 10 de dezembro de 2017

EM DUAS RODAS

EM DUAS RODAS

Sair em busca d'horizonte
A além das serras de Minas
E irromper pelas neblinas
Só tendo a distância à fronte:
Panoramas nas retinas.

À terra do fogo e do frio
Seguir ao sol; ao céu azul
Do sul d'América do Sul!
E, passando mar e rio,
Avistar o extremo paul.

Rodar e rodar e rodar
Dias, noites, desertos, rotas...
Topar paragens ignotas
Perto de nenhum lugar
Onde Judas já sem botas!

Meio-irmão de soledades,
Outro lobo pela estepe
A uivar, todo serelepe,
Ao luar das imensidades
Sem abrigo nem estepe...

Pois após cada confim,
No mirante, de atalaia,
Ir ter co'a gélida praia
Que banha a terra do fim,
E gritar enfim: -- "Ushuaia!..."

Betim - 10 12 2017

quinta-feira, 7 de dezembro de 2017

PLANETÁRIO

PLANETÁRIO

Visto de cima lembra um caracol
Esse grão de Universo onde a gente actua:
Cada planeta em círculos flutua
A cirandar em roda cá do sol.

Ou com cacos d'espelho e algum farol
Estrela a estrela qual no céu pontua
Para, de longe, a Terra mais a lua
Ante à matéria escura d'um lençol.

Mais além, Marte, Júpiter, Saturno...
Onde um olhar incrédulo e soturno.
Negou-se a ver qual vira Galileu.

Outro orbe colorido ao imaginário
E logo monto todo o planetário,
Mostrando a todo mundo o mundo seu.

Betim - 07 12 2017

AUTOELOGIO

AUTOELOGIO

Tenho sido o melhor que posso ser
E, embora não pareça bastante, eu
Vejo não ser sequer mérito meu
O bem ou mal do qu'eu ouso escrever.

Mas se escrevinho, por assim dizer,
É por me suceder qual sucedeu:
Nem um declínio nem um apogeu...
Tudo está sempre por acontecer.

N'um futuro que nunca vem, vivi
A escrever do que sinto ou que senti
Mesmo alheio a certames e troféus.

Porque foi com extrema liberdade
Que por sujeito à minha humanidade
Em versos me elevei até os céus!...

Betim - 07 12 2017

terça-feira, 5 de dezembro de 2017

ESPLÊNDIDO

ESPLÊNDIDO

Foi pouco antes de cair um aguaceiro...
A chuva vinha escura e, de repente,
O céu se abriu p'ros lados lá do poente
E luziu por um instante passageiro.

Quem andava comigo viu primeiro
E apontou admirada para frente:
Nuvens douradas por um sol ausente
Cobrindo majestosas todo o outeiro!

-- "Esplêndido" -- disse ela assim do nada,
Ainda que apressados pela estrada
Buscássemos das águas ter guarida.

Olhei e vi aquilo boquiaberto
Como súbito houvesse descoberto
A luz de Deus nas nuvens escondida.

Betim - 04 12 2017

segunda-feira, 4 de dezembro de 2017

JEITOSA

JEITOSA

Seu jeito mexia co'a gente:
Acanho de moça donzela...
Sempre tão doce e envolvente,
Que linda menina aquela!...

Muito jeitosa de corpo ela...
Sempre tão graciosa e atraente...
Acanho de moça donzela,
Seu jeito mexia co'a gente.

Meio ousada; meio inocente,
Muito jeitosa de alma a bela...
Sempre tão alegre e ridente.
Acanho de moça donzela,
Seu jeito mexia co'a gente.

Betim - 20 11 2017